Marca Ladeh PUC-Rio

Legenda 1

Legenda 2

Legenda 3

Legenda 4

Legenda 5

Legenda 6

Legenda 7

Legenda 8

Legenda 9

Legenda 10

Legenda 11

Legenda 12

Legenda 13

Legenda 14

Legenda 15

Legenda 16

Legenda 17

Legenda 18

Legenda 19

Legenda 20

Legenda 21

Legenda 22

Legenda 23

Legenda 24

Legenda 25

Legenda 26

Legenda 27

Legenda 28

Legenda 29

Legenda 30

Legenda 31

Palhássaros!

2009 - Espetáculo teatral com acobacia

Untitled document

Sinopse:

Em terras tropicais, mas precisamente no Brasil, foi revelado por biólogos, um pássaro raro da fauna desse lugar. O Palhássaro!  

Sua vida oscila entre momentos sós e períodos de convivência com bandos, e essa sua inconstância revela no fundo um animal profundamente insatisfeito e em busca da paz – paz essa encontrada pelas aves que já decidiram viver definitivamente em bando – ou sozinhas...

 

O espetáculo criado pela Companhia NósNosNós, tragédias e comedias aéreas, em parceria com o laboratório, buscou através da mistura de acrobacia, dança, música, interpretação e circo, contar a história de um pássaro ficcional da fauna brasileira: o Palhássaro. O termo foi criado pelo autor (juntando as palavras Palhaço – relativo ao universo teatral e circense com Pássaro) para denominar a espécie de pássaro que intitula a peça.

A Cia NósNosNós foi contemplada com dois prêmios que viabilizaram a montagem do espetáculo. O primeiro, trata-se do Prêmio Interações Estéticas, promovido pela Fundação Nacional de Artes (FUNARTE) em parceria com a Secretaria de Cidadania Cultural (SCC) do Ministério da Cultura, do Governo Federal do Brasil no ano de 2008 (?). Este prêmio permitiu a parceria entre 3 instituições para o aprendizado e a confecção do Domo e sua utilização como aparelho de pesquisa acrobática. A companhia NósNosNós em parceria com o Laboratório de Design de Histórias, buscou aprender a metodologia de montagem do Domo Geodésico desenvolvida pelo LILD (Laboratório de Investigação em Living Design), da PUC-Rio, e transmitir esta tecnologia aos jovens da ONG de Circo Social Crescer e Viver e posterior pesquisa acrobática sobre este aparelho. O Segundo – Prêmio Carequinha de Estímulo ao Circo - contemplou o projeto de desenvolver o espetáculo Palhássaro, com a proposta de aprofundar os resultados obtidos com essa primeira pesquisa. Este último, contemplado pela mesma instituição - FUNARTE em parceria com a SCC, do Ministério da Cultura do Governo Federal do Brasil – no ano de 2009. 

A narrativa conta a trajetória do Palhássaro, descrito como uma espécie rara da fauna brasileira, esta espécie possuiria características psicológicas e físicas que são responsáveis por todo o desenvolvimento da trama. Sem diálogos, a peça conta com a presença de um narrador que ao final, no momento da morte do personagem principal revela ser ele próprio o protagonista. O roteiro ainda apresenta em cenas diversas, o encontro do palhássaro com outras espécies, riscos da vida de um pássaro como a arapuca, as atrocidades cometida a esses animais, representado pela cegueira do Assum Preto - música de autoria de Luiz Gonzaga - que contempla a cena, a migração de muitas espécies aqui traduzida com a migração do interior para a cidade grande e seus choques sociais e culturais, romance, paixão, relacionamento, sexo e separação, também são abordados em cena, até sua morte, provável suicídio e sua perpetuação através da reprodução da espécie. Tudo isso é trazido apenas na atuação dos personagens, sem que haja diálogo. A presença de um narrador enriquece a cena e ahistória com seus textos e memórias, que só ao final é revelado como sendo o protagonista do espetáculo.

 

Escolha do cenário

O primeiro desafio do projeto, depois é claro de aprender a construir e se relacionar com a estrutura, foi encontrar um local adequado para a montagem, ensaio e apresentação do espetáculo. O prêmio contemplado pela FUNARTE cobrigáva-nos a apresentá-lo em local público, sem cobrança de ingresso, porque se tratava de um edital de teatro de rua. Mas, por conta da construção do domo ser demorada não poderíamos, como acontece normalmente nos espetáculos de rua, montá-la e desmontá-la toda vez que fosse apresentar o espetáculo. A solução foi encontrar um local onde a estrutura pudesse ser montada e pudéssemos ter a segurança de que não haveria exposição da mesma ao público nos momentos quando não estivesse em uso. Isso nos asseguraria de possíveis acidentes, depredações, vandalismo e etc. Depois de várias possibilidades estudadas, inclusive apresentadas ao lado como simulações - MAM, Parque Lage, Jardim Botânico, Forte de Copacabana, etc - decidimos por montá-la no Planetário da Gávea, que nos recebeu, nos apoiou e tornou-se parceiro do projeto. 

Enquanto esta busca ainda não se resolvia, os ensaios aconteceram no colégio São Marcelo, também da PUC-Rio, numa quadra de esportes. A escolha desse lugar permitia a montagem da estrutura, uma certa privacidade para estudos de cena e ensaios, além da segurança de não ter contato com o público sem a nossa presença. Em contrapartida a exposição às intempéries atrasou o cronograma do projeto. 

 

Direção de Arte - Figurino

Paralelo à experimentação e montagem, a direção de arte caminhava na direção de dar visibilidade aos palhássaros. Em resposta ao cenário do projeto ser basicamente o domo e o fundo aberto próprio de apresentações de rua, diferentemente da caixa preta dos teatros convencioais, a competição de imagens gerada por essa forma de apresentação acabou por direcionar a escolha das cores e detalhes do figurino.

Alguns estudos e esboços foram feitos, além de testes e simulações do figurino com uma palheta de cores que se resumia a três cores: preto, branco e azul celeste. O preto e branco foram escolhidos por conta da facilidade de gerar figuras e desenhos, próprios do contraste criado pelo preto no fundo urbano e imprevisível urbano. Já o azul era uma característica do palhássaro: ele camufláva-se no céu, quando fechava as asas em pleno vôo. Assim, o colete, e chapéus representavam o azul celeste e algumas nuvens que o faríam camuflar-se em pleno vôo. Outros objetos utilizados em cena como guarda-chuvas, lenços, revistas, etc, foram todos na mesma direção e utilizaram a mesma palheta.

 

Ficha Técnica 

Criação: Cia. Nós Nos Nós Tragédias e Comédias Aéreas

Texto e direção : Gamba Jr.

Elenco: Cláudio Bittencourt, Gamba Junior, Gustavo Falcão, Miguel Carvalho, Toninho Lobo e Vânia Penteado.

Coreografias e preparação corporal: Vânia Penteado

Documentação: Eliane Garcia

Assistente de direção: Juliana Féres

Operador de som: Ian Kirszberg

Assistente de produção: Jeane Dantas

Produção: Cia. Nós Nos Nós Tragédias e Comédias Aéreas

Direção de Arte: Gamba Junior e Cláudio Bittencourt

Produtoras de Arte: Eliane Garcia e Letícia Bethlem

Assistentes : Miguel Carvalho, Barbara Castro, Pedro Palhano, Larissa Fuchs, Natasha Gompers, Rian Rezende, Érika Carvalho, Renan Freitas

Programação Visual : Natasha Gompers e Pedro Palhano

Modelagem figurino dama antiga: Juliana Féres

Próteses de narizes : Toninho Lobo

Costureira : Carmelita 

Tecnologia do Domo de Bambu: José Ripper e Marcelo Fonseca 

Estagiários: João Queiroz e Reny H. Barroso 

Pesquisa em Design de Histórias: LaDeh

Agradecimentos: 

Allan Marinho, Alex dos Santos, Arinaldo Jordão, Bárbara de Matos, Carolina Bolshaw, Celso Cunha, Claudia Bolshaw, Crescer e Viver, Daniel Malagute, Evelyn Oliveira, Fernando Macedo, Junior Perim, Irmã Justina, Luiza Novaes, Lunático Café e Cultura, Maicon dos Santos, Mário Seixas, Raul Nunes, Sandra Paiva, Vinicius Daumas, Wilson Barreto

 

Parceiros

  

  

  

Vídeos

Trailer Palhássaros!



Copyright 2011 Laboratório de Design de Histórias. Todos os direitos reservados