Marca Ladeh PUC-Rio

A pesquisa começa pela análise das imagens em circulação

Uma equipe multidisciplinar participa da pesquisa

Resultado da testagem pela escala SAM

Amostra de parte da geração de alternativas de uma imagem

Amostra de parte da geração de alternativas para a aplicação final

Fotos de estúdio para objetos

Fotos de estúdio para modelos

Diferentes técnicas de fotografia

Diferentes técnicas de fotografia

Recursos de moke-up

Montagem fotográfica

Associação de recursos de cenografia, maquiagem, interpretação e efeitos especiais

Além das imagens impressas, um grupo grande de partidos adotados não foi veiculado

O sucesso da série foi tão grade que hoje é referência. Países como Uruguai e Chile reproduziram a ideia da imagem de impotência, por exemplo.

Imagens de advertência nos maços de cigarro

2008 - Análise e desenvolvimento das imagens e textos dos invólucros de cigarro

Untitled document

 

Imagens de Advertência foram estabelecidas pela regulamentação dos invólucros de produtos derivados do tabaco no Brasil. Depois das duas primeiras séries desenvolvidas por agências de propaganda ligadas ao governo, o INCA propõe de maneira revolucionária um projeto de pesquisa interdisciplinar e interinstitucional que propõe avaliar, refletir e desenvolver o conteúdo do terceiro grupo de imagens. Esse enfoque acadêmico resultou em um processo de repercussão internacional e considerado de referência pela OMS.

O Ministério da Saúde e o Instituto Nacional de Prevenção do Câncer, em parceria com as áreas de Psicofisiologia (UFRJ/UFF) e Design (PUC-Rio), desenvolveu as novas imagens e frases de advertência impressas nas embalagens de cigarro no Brasil, em sua terceira versão, lançada em 2008, cujo objetivo principal é diminuir a adesão ao comportamento de fumar ou a desistência deste comportamento, no caso de pessoas já adictas.      

O Departamento de Artes e Design da PUC-Rio através do NAE (Núcleo de Arte Eletrônica) e LaDeh faz um pesquisa original e de alto impacto para firmar a relevância da Pesquisa em Design no País.

 

Histórico

O tabagismo é responsável pela morte de mais de 10 mil pessoas por dia, e considerado pela Organização Mundial de Saúde como a principal causa de morte evitável em todo o mundo. Em 2001, a exemplo da iniciativa pioneira do Canadá, o Brasil passa a exigir a impressão de frases e imagens de advertência contra o fumo nas embalagens de cigarro, medida essa que desde então vem sendo adotada por vários países ao redor do mundo, em vista dos resultados positivos que vêm sendo obtidos com tal iniciativa.

A exposição a produtos derivados do tabaco é considerada a mais importante causa de morte evitável no mundo. Ações de controle do tabagismo envolvem uma gama de intervenções para ajudar pessoas a parar de fumar e prevenir que jovens não se tornem dependentes. Advertências sanitárias com imagens mostradas em embalagens de cigarro são uma das formas mais efetivas de informar acerca das consequências do tabagismo.

 

Entre as mais importantes ações de controle do tabagismo adotadas no Brasil nos últimos dez anos, destacam-se a proibição de patrocínio de eventos culturais e esportivos pelas companhias de tabaco e a restrição da exibição de propagandas em rádio, TV, jornais

e outras mídias – só permitidas nos pontos internos de venda. Com o fim da propaganda, o meio mais efetivo de a indústria estimular a venda e o consumo de cigarros passou a ser sua própria embalagem. No Brasil, a regulamentação dos invólucros de produtos derivados do tabaco já havia determinado, desde 1989, a inclusão da frase “O Ministério da Saúde adverte: Fumar é prejudicial à saúde” na lateral das embalagens. Mas foi a partir de 2001 que as advertências sanitárias ganharam destaque e evidência. Por lei foi determinado que as mesmas ocupassem totalmente uma das principais faces das embalagens e contivessem imagens ilustrativas dos males do tabagismo, além de exibir o número de telefone do Disque Saúde – Pare de Fumar.

 

A Pesquisa

A equipe de Design da PUC-Rio desenvolveu uma classificação baseada na área de estudos culturais através de pesquisa e classificação de similares, estabelecendo critérios para construção dos protótipos das novas advertências. Esses critérios geraram três grupos principais de imagens: as metafóricas (ex: risco de derrame), as realistas com abordagem científica (ex: gangrena) e as realistas com viés jornalístico (ex: parto prematuro). Tal metodologia de análise permitiu evidenciar várias categorias, que foram utilizadas em todo o processo, desde a avaliação quantitativa de cada grupo até questões de ordem ética e estética.

Com base no próprio briefing do projeto, foram elaborados outros critérios, tais como a atenção especial aos segmentos da população atualmente mais vulneráveis às estratégias de marketing das empresas de tabaco, como os jovens, as mulheres e as classes economicamente menos favorecidas, bem como o cuidado com imagens que funcionassem como ‘gatilhos’, ‘pistas’ que podem despertar o desejo de fumar, como pessoas fumando, cinzeiros, isqueiros e cigarros acesos.

Outras noções relevantes na elaboração dessas imagens vinculam-se à sintaxe visual e à fenomenologia da imagem, possibilitando critérios mais precisos para leitura mais clara do conceito de aversividade. Aspectos da análise da imagem como enquadramento, palheta de cores, contraste e nitidez foram preceitos fundamentais para ampliar o potencial de leitura dessas peças gráficas, tendo como foco o resultado final de aversão.

Para a produção das imagens de forma a satisfazer a esses critérios, vários recursos técnicos foram utilizados, tanto na produção (maquiagem, mock-ups, iluminação etc.), como na pós-produção (computação gráfica).

Os protótipos desenvolvidos foram avaliados por 362 jovens com idade entre 18 e 24 anos, divididos em três níveis educacionais – ensino fundamental, ensino médio e ensino superior – com número balanceado de homens e mulheres. Metade da amostra de cada gênero era composta de fumantes. Foi utilizada a metodologia a escala SAM para os participantes julgarem tanto os protótipos das novas advertências como dezenas de imagens do catálogo Iaps, que serviram como controle do experimento.  Os resultados indicaram que os protótipos foram considerados altamente aversivos e, comparados com os do primeiro estudo, que avaliou as imagens utilizadas nas 19 advertências veiculadas nos maços de cigarros, classificados como mais desagradáveis e com maiores escores na dimensão de ativação emocional, alcançando a meta estabelecida no início do projeto. Através dessa metodologia foi também possível estabelecer o escalonamento das imagens com maior conteúdo aversivo, índice utilizado como um dos critérios na escolha do novo grupo de advertências.

O layout das advertências foi também modificado para melhorar o impacto visual e semântico dos temas abordados. Na parte superior da advertência colocou-se palavra ou frase de destaque que resume o conteúdo da imagem, que aparece logo abaixo, seguida da advertência do Ministério da Saúde, com informação mais didática e aprofundada. Essa prerrogativa permite agora dois níveis de leitura, um mais fácil e rápido e o outro mais complexo e informativo. Por fim, a logo do Disque Saúde – Pare de Fumar, com o número de telefone do serviço, além de mais ampliada nessa versão, foi destacada ao ser posta em fundo preto, diferente do modelo anterior, em que era inserida na imagem, muitas vezes com pouca visibilidade.

Ficha técnica

 

Ministério da Saúde
José Gomes Temporão

Instituto Nacional de Câncer
Luiz Antonio Santini Rodrigues da Silva

Coordenação de Prevenção e Vigilância
Cláudio Noronha

 

Instituto Nacional do Câncer: Dr Tânia Cavalcante, Valeria Cunha, Cristina Perez

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro: Dr Rejane Spitz, Dr Nilton Gamba Jr., Paula Kossatz, Juan M. Diaz, Miguel Lessa Carregal e Adriano Lírio

Universidade Federal do Rio de Janeiro: Dr Eliane Volchan, Dr Sonia Gleiser, Billy Edving Muniz Nascimento, Jose Magalhães, Daniel Almeida

Universidade Federal Fluminense: Dr Letícia de Oliveira, Dr Mirtes Garcia Pereira, Dr Walter Machado Pinheiro, Rita de Cassia Soares Alves, Gisella Tavares, Renan Reis


 

 

Parceiros

  

  

Documentos

artigoartigo



Copyright 2011 Laboratório de Design de Histórias. Todos os direitos reservados